Escreva o nome de um músico angolano e talvez encontre uma música nos resultados.

30/11/09 - JazzLAC Com Gerónimo Belo

Começaremos com as vozes do Take 6 - belas vozes. Memórias de boa memória. Take 6. Venha mais música. Depois, virá uma viagem com a música de um brilhante saxofonista, Michael Breker, que já nos deixou.

Quando uma partida nos indigna assim, não há muitas palavras que nos ajudem. Morreu um homem bom, no bom sentido da palavra bom. Trata-se de Michael Breker. O milagre da última obra do grande saxofonista – Pilgrimage (peregrinação, romaria), foi a última obra gravada por Michael Brecker, que faleceu com 57 anos. Padecendo de uma rara doença, síndrome mielodisplásica, desde meados de 2004.

Brecker viveu uma existência dolorosa até á morte. Todavia, em Agosto de 2006, teve forças para reunir um grupo de grandes músicos amigos para gravar este soberbo CD – um testemunho musical à altura do talento deste músico notável, para gravar este "peregrinação".

Foi um autêntico milagre que Brecker tivesse forças para produzir um Jazz tão vibrante como o que se ouve ao longo deste CD, a que chamamos “O Adeus de Brecker”. Músicos houve que, nas suas derradeiras gravações, denunciavam a fragilidade da sua saúde. Não é o caso de Michael Brecker, cuja música sempre esteve associada a uma certa ardência e a um carácter de urgência.

A impressão com que se fica depois da uma audição deste disco é a de que o músico estava – sabe-se lá com que sacrifício –, na posse de todos os seus recursos e faculdades, tão evidente nos seus solos, como na qualidade das suas composições. Vamos ouvir este milagre.

O Adeus de Brecker. Tocados pela surpreendente vitalidade do saxofonista, estão muito bem as outras estrelas que aqui se juntam ao amigo – companheiro: o pianista Brad Meldhau, numa rara atitude muito percusiva; Herbie Hancock, um mestre do teclado, mais jazzy do que nas suas intervenções mais recentes, alinhando intervenções brilhantes, criativas, originais; o guitarrista Pat Metheny, claro nos seus uníssonos com o saxofonista e objectivo nos seus solos; Jack DeJohnette, soa com uma intensidade que há anos não se lhe ouvia, e, por fim, o contrabaixista John Patitucci, discreto, mas sempre eficiente.

Pensar e Falar Angola
Posted by Toke

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts with Thumbnails

O Blogue do Ano

O Blogue do Ano
JC Carranca tenta listar todos os blogues que falam e Angola. Todos?!? Eheheh...

Pensar e Falar Angola

Livros Angola Livros Angola Angola Livros Angola Livros

Rádio AnimAdão

Rádio AnimAdão - As noites de Luanda têm música e um gosto muito especial. Desde que dêm para um pé de dança, as damas fazem a "ventoinha" e os cavalheiros acompanham. Vamos dançar? Este Podcast, onde se ouvem músicas angolananas e não angolanas que tocam nas pistas das discotecas de Luanda, é dedicado a duas das mais famosas discotecas-boîtes de Luanda: o Animatógrafo e a boîte Adão. Sempre a bater, estas duas discotecas atravessaram épocas, algumas bem difíceis, levantando sonhos, ilusões e o astral de muito folião noctívago.



Kuduro de Angola
Batidas do Puro Gueto!



Zumbi Albino - Techno Trance from Angola

Tessalonissenses é um projecto musical nascido em Luanda-Angola, criado por Michel (Weather dos Ácidos) que é o cêrebro atrás da instrumentalização. Junto com Vanuza (Overkill Punk dos Ácidos) que era a vocalista principal, iniciaram o que era assim o "overstate reason" musicalmente, fundindo poemas metafísicos com electro-psicadélico. As primeiras experiências como “A estrada de Enoque”, “As faltas no cemitério” e “A Embaixada Apache U.R.S.S.”, alcançavam um certo extremo radical sonoro, onde tempos diferentes se fundiam para criar um só contratempo. Vanuza deixou os Tessa para cumprir uma jornada activamente mais religiosa, mas até à sua viagem colaborou com os Tessa também na edição do seu segundo projecto “A Cirurgia Vegetariana”, o qual era uma mixagem de rock tribal com techno. “No Caminho da Mutação” outro álbum tessalónico inédito muito mais agressivo, uma mixagen de gótico com techno. Bateria alta e poderosa, por cima dos sintetizadores TSH tocando sequências em longas catedrais, e as vezes até, complementando um baixo jazzístico. O novo projecto nasceu de músicas como “Pássaros Acabam na Panela”, “Technophorum”, e “No Caminho da Mutação” que deram uma influência mais dançante ao novo projecto.

EPM
Electronic Psychedelic Music
"O universo é o oceano das nosas mentes"

"The universe is the ocean of our minds"
A Embaixada Apache U.R.S.S.

"De penas coloridas e missangas penduradas na Embaixada Apache O nosso velho que cavalga nas montanhas dos himaláias com as suas peles enroladas ao pescoço. "U.R.S.S." diz o seu crachá, que foi presente ganho do seu avô general lá no exército da outrora, o nosso índio sempre se orgulhará. A Embaixada Apache U.R.S.S. Sua tribo ao pé do rio quando desagua no mar ao vento vai refrescar-se sempre de manhã. Esporas colombianas e seu cinturão de couro, cabedal desfiado, suas pantalonas. Seu soviético idioma nunca esquecerá na Índia, E pergunta-me, porquê que os heróis só são lembrados no dia da sua morte e não no dia do seu nascimento?! O indiano da Embaixada Apache U.R.S.S."
Poem by Vanuza (blue rose overkill punk)

Muximangola Arquivo

Hora angolana