Escreva o nome de um músico angolano e talvez encontre uma música nos resultados.

07/12/09 - JazzLAC (95.5 FM - Angola) com Gerónimo Belo

http://jazzbelo.blogspot.com/

http://jazzlac.podomatic.com/

07/12/09 - JazzLAC (95.5 FM - Angola)

Com Gerónimo Belo

Nesta primeira edição do JazzLAC de Dezembro, as “Senhoras do Jazz” cantarão, tocarão e reinarão. A primazia é dada à bela voz de SHIRLEY HORN, que também toca piano muito bem.

Como os Jazzlovers bem sabem, a voz foi, provavelmente, o primeiro instrumento do Jazz. E pela via das canções de trabalho (work songs), espirituais negros e, sobretudo, do Blues, praticou a quase igualdade dos sexos.

À medida que o jazz instrumental reforçou a sua natureza exclusivista do território masculino, as senhoras vingaram-se, ocupando o trono da voz. E quando tocam, o piano é o instrumento eleito. E, no rol das vozes, os homens são hoje uma minoria residual.

Tudo isto assenta como uma luva em Shirley Horn. Canta e toca piano. Bem, ou melhor: muito bem.

Há concertos que ficam, há concertos que se apagam no tempo. Os primeiros deixaram-nos um sentimento de felicidade, como se o tempo se tivesse rompido e tivéssemos entrado e caminhado numa planura de encantamento.

Este é o caso de uma noite em que fui ver e ouvir esta Senhora cantora na Sala Van Gogh, num já distante Festival de Jazz do Mar do Norte, em Haia, na Holanda, e uma imensa energia ficou dentro de mim.

Sei que as noites não se repetem. Nem os concertos. Mas apetece-me ouvir de novo Shirley Horn e partilhar a sua música com o auditório LAC.

Shirley Horn, uma espécie de rocha tranquila. As árvores que foi plantando são a sua própria sombra.

Agora, que não sei quando voltarei a ouver (ver e ouvir ao mesmo tempo) a cantora americana Shirley Horn, vou ouvindo os CDs da sua vasta discografia.

Neste disco de que passarei alguns temas, Shirley está sentada ao piano e a cantar com Charles Ables (baixo) e Steve Williams (bateria) e convidou gente de peso, imaginem: Miles Davis e Winton Marsalis (trompete), Buck Hill e Brandford Marsalis (sax tenor), Toots Thielmans (harmónica, guitarra).

Meu caro leitor do “Jazz in Angola”, suponho que as razões apontadas são suficientes, para contar com o favor da sua escuta nesta primeira segunda-feira de Dezembro.

Ou não é assim?

Então… até Jazz!

Por Gerónimo Belo

 Pensar e Falar Angola

Posted by Toke

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts with Thumbnails

O Blogue do Ano

O Blogue do Ano
JC Carranca tenta listar todos os blogues que falam e Angola. Todos?!? Eheheh...

Pensar e Falar Angola

Livros Angola Livros Angola Angola Livros Angola Livros

Rádio AnimAdão

Rádio AnimAdão - As noites de Luanda têm música e um gosto muito especial. Desde que dêm para um pé de dança, as damas fazem a "ventoinha" e os cavalheiros acompanham. Vamos dançar? Este Podcast, onde se ouvem músicas angolananas e não angolanas que tocam nas pistas das discotecas de Luanda, é dedicado a duas das mais famosas discotecas-boîtes de Luanda: o Animatógrafo e a boîte Adão. Sempre a bater, estas duas discotecas atravessaram épocas, algumas bem difíceis, levantando sonhos, ilusões e o astral de muito folião noctívago.



Kuduro de Angola
Batidas do Puro Gueto!



Zumbi Albino - Techno Trance from Angola

Tessalonissenses é um projecto musical nascido em Luanda-Angola, criado por Michel (Weather dos Ácidos) que é o cêrebro atrás da instrumentalização. Junto com Vanuza (Overkill Punk dos Ácidos) que era a vocalista principal, iniciaram o que era assim o "overstate reason" musicalmente, fundindo poemas metafísicos com electro-psicadélico. As primeiras experiências como “A estrada de Enoque”, “As faltas no cemitério” e “A Embaixada Apache U.R.S.S.”, alcançavam um certo extremo radical sonoro, onde tempos diferentes se fundiam para criar um só contratempo. Vanuza deixou os Tessa para cumprir uma jornada activamente mais religiosa, mas até à sua viagem colaborou com os Tessa também na edição do seu segundo projecto “A Cirurgia Vegetariana”, o qual era uma mixagem de rock tribal com techno. “No Caminho da Mutação” outro álbum tessalónico inédito muito mais agressivo, uma mixagen de gótico com techno. Bateria alta e poderosa, por cima dos sintetizadores TSH tocando sequências em longas catedrais, e as vezes até, complementando um baixo jazzístico. O novo projecto nasceu de músicas como “Pássaros Acabam na Panela”, “Technophorum”, e “No Caminho da Mutação” que deram uma influência mais dançante ao novo projecto.

EPM
Electronic Psychedelic Music
"O universo é o oceano das nosas mentes"

"The universe is the ocean of our minds"
A Embaixada Apache U.R.S.S.

"De penas coloridas e missangas penduradas na Embaixada Apache O nosso velho que cavalga nas montanhas dos himaláias com as suas peles enroladas ao pescoço. "U.R.S.S." diz o seu crachá, que foi presente ganho do seu avô general lá no exército da outrora, o nosso índio sempre se orgulhará. A Embaixada Apache U.R.S.S. Sua tribo ao pé do rio quando desagua no mar ao vento vai refrescar-se sempre de manhã. Esporas colombianas e seu cinturão de couro, cabedal desfiado, suas pantalonas. Seu soviético idioma nunca esquecerá na Índia, E pergunta-me, porquê que os heróis só são lembrados no dia da sua morte e não no dia do seu nascimento?! O indiano da Embaixada Apache U.R.S.S."
Poem by Vanuza (blue rose overkill punk)

Muximangola Arquivo

Hora angolana