Escreva o nome de um músico angolano e talvez encontre uma música nos resultados.

Akwaaba Music, Benjamim Lebrave esteve em Angola.

Angola Press – 03 Junho 2009

Luanda – O responsável da produtora norte-americana Akwaaba Music, Benjamim Lebrave, comprometeu-se hoje, quarta-feira, em Luanda, a divulgar com agressividade o ritmo kuduro na Europa, África e América, através de um projecto de distribuição de vídeo clipes de artistas angolanos na Internet.
.
Falando à Angop, a propósito da paixão por esse ritmo musical, o distribuidor fonográfico informou ter assinado contrato com alguns dos principais executantes desse género artístico, cujos vídeos estão já disponíveis do seu "blog".

Benjamim Lebrave explicou que, até ao momento, tem autorização para divulgar, nos Estados Unidos da América, vídeos dos kuduristas Zoca Zoca, Camon e do grupo Vagabanda, estando em negociações avançadas com Puto Lilás e Pai Diesel.

"Já enviei clips aos Estados Unidos, mas vou acelerar a promoção assim que chegar lá. Preciso de tempo para promover os trabalhos na word music, embora tenha assinado contrato de três anos com o Zoca Zoca, Camon e os Vagabanda", esclareceu.
.
Os acordos em causa referem-se apenas a esse projecto (vídeos), pelo que os artistas estão livres para produzir futuros álbuns, sem terem de solicitar a Akwaaba, tranquilizou.

Benjamim Lebrave prometeu, inicialmente, levar à Europa e a Los Angeles apenas vídeos que já estejam gravados e editados, tendo aventado a possibilidade de, em cinco anos, começar também a produzir trabalhos com a sua produtora.

"A distribuição será feita pela Internet, razão porque estou a contactar a União Nacional dos Artistas e Compositores UNAC, em Angola, e organismos afins nos EUA.

Quero começar esse projecto, divulgando uma colectânea, para dar a mesma oportunidade a todos os artistas. Penso repartir as receitas com os autores em 50 porcento, embora muitos pensem que vou perder dinheiro. Estou aqui para trabalhar com vários grupos, por forma a mostrar várias facetas do music hall angolano", expressou.

Além de promover o kuduro, Benjamim Lebrave informou que conta distribuir vídeos de semba, pelo mesmo canal (Internet), particularmente aqueles cantados na década de 60, pois expressam a voz do povo e simbolizam a luta pela Independência Nacional.

"Estou aqui pela primeira vez, para divulgar a cultura de Angola fora da lusofonia. A ideia surgiu porque tenho muitos amigos no Ghana e na Cote d’Ivoire, cujas comunidades lá fora conhecem bem a sua cultura. Gosto muito da música angolana e vi, em 2006, um vídeo de kuduro no Yutub, que despertou o meu interesse", explicou.

Do seu ponto de vista, o kuduro tem riqueza melódica para conquistar público na world music, mas não tem sido bem distribuído e divulgado, sobretudo pelos Dj angolanos.

Por essa razão, disse estar também a contactar editoras de peso no país, como a LS Produções, por forma a conseguir contrato com o maior número de kuduristas possível, sobretudo Puto Lilas e o Grupo Lambas, dos vocalistas Nagrelha e Bruno King.

Em Angola há cinco semanas, o promotor conta regressar sábado para Los Angeles, devendo passar, antes, pela República Democrática do Congo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts with Thumbnails

O Blogue do Ano

O Blogue do Ano
JC Carranca tenta listar todos os blogues que falam e Angola. Todos?!? Eheheh...

Pensar e Falar Angola

Livros Angola Livros Angola Angola Livros Angola Livros

Rádio AnimAdão

Rádio AnimAdão - As noites de Luanda têm música e um gosto muito especial. Desde que dêm para um pé de dança, as damas fazem a "ventoinha" e os cavalheiros acompanham. Vamos dançar? Este Podcast, onde se ouvem músicas angolananas e não angolanas que tocam nas pistas das discotecas de Luanda, é dedicado a duas das mais famosas discotecas-boîtes de Luanda: o Animatógrafo e a boîte Adão. Sempre a bater, estas duas discotecas atravessaram épocas, algumas bem difíceis, levantando sonhos, ilusões e o astral de muito folião noctívago.



Kuduro de Angola
Batidas do Puro Gueto!



Zumbi Albino - Techno Trance from Angola

Tessalonissenses é um projecto musical nascido em Luanda-Angola, criado por Michel (Weather dos Ácidos) que é o cêrebro atrás da instrumentalização. Junto com Vanuza (Overkill Punk dos Ácidos) que era a vocalista principal, iniciaram o que era assim o "overstate reason" musicalmente, fundindo poemas metafísicos com electro-psicadélico. As primeiras experiências como “A estrada de Enoque”, “As faltas no cemitério” e “A Embaixada Apache U.R.S.S.”, alcançavam um certo extremo radical sonoro, onde tempos diferentes se fundiam para criar um só contratempo. Vanuza deixou os Tessa para cumprir uma jornada activamente mais religiosa, mas até à sua viagem colaborou com os Tessa também na edição do seu segundo projecto “A Cirurgia Vegetariana”, o qual era uma mixagem de rock tribal com techno. “No Caminho da Mutação” outro álbum tessalónico inédito muito mais agressivo, uma mixagen de gótico com techno. Bateria alta e poderosa, por cima dos sintetizadores TSH tocando sequências em longas catedrais, e as vezes até, complementando um baixo jazzístico. O novo projecto nasceu de músicas como “Pássaros Acabam na Panela”, “Technophorum”, e “No Caminho da Mutação” que deram uma influência mais dançante ao novo projecto.

EPM
Electronic Psychedelic Music
"O universo é o oceano das nosas mentes"

"The universe is the ocean of our minds"
A Embaixada Apache U.R.S.S.

"De penas coloridas e missangas penduradas na Embaixada Apache O nosso velho que cavalga nas montanhas dos himaláias com as suas peles enroladas ao pescoço. "U.R.S.S." diz o seu crachá, que foi presente ganho do seu avô general lá no exército da outrora, o nosso índio sempre se orgulhará. A Embaixada Apache U.R.S.S. Sua tribo ao pé do rio quando desagua no mar ao vento vai refrescar-se sempre de manhã. Esporas colombianas e seu cinturão de couro, cabedal desfiado, suas pantalonas. Seu soviético idioma nunca esquecerá na Índia, E pergunta-me, porquê que os heróis só são lembrados no dia da sua morte e não no dia do seu nascimento?! O indiano da Embaixada Apache U.R.S.S."
Poem by Vanuza (blue rose overkill punk)

Muximangola Arquivo

Hora angolana